Natura apresenta PRESENTE DE VÔ, musical para toda família com o grupo ‘Ponto de Partida’ e os ‘Meninos de Araçuaí’, no Espaço Tom Jobim


Dias 21 e 22 de março – Únicas Apresentações

O musical, em comemoração aos 35 anos do grupo mineiro, mescla cirandas guaranis, cantigas africanas, clássicos da música brasileira e batuques aprendidos com avós do Vale do Jequitinhonha



“O grupo nos encanta do começo ao fim, construindo cenas de uma singeleza ímpar, verdadeiros tributos à delicadeza e à importância de sonhar, de brincar, de colorir a vida com nossas memórias mais felizes. Como resistir?
O arrebatamento que nos acomete na poltrona do teatro é inesquecível, infalível. (...) Poucas vezes vi, em um mesmo espetáculo, um desfile tão rico de personagens muito queridos, em situações fantasiosas e bastante inventivas.”

Dib Carneiro Neto
Crítico de teatro, dramaturgo e jornalista

Comemorando os 35 anos de trabalho do grupo mineiro Ponto de Partida, de Barbacena, a trupe chega ao Rio de Janeiro junto ao coro Meninos de Araçuaí, do Vale do Jequitinhonha, para apresentar o musical Presente de Vô, com patrocínio do programa Natura Musical. Um espetáculo para toda família, com apenas três apresentações, nos dias 21 e 22 de março, sábado, às 20h, domingo, às 17h e 20h, no Espaço Tom Jobim. Será a quarta vez que o público carioca poderá conferir esse encontro. Em 2002, junto a Milton Nascimento, Ponto de Partida e Meninos de Araçuaí subiram ao palco do Municipal com o espetáculo ‘Ser Minas Tão Gerais’ e, mais tarde, com ‘Pra Nhá Terra’, estiveram no Espaço Tom Jobim e no Vivo Rio.

A história de Presente de Vô se passa no “país secreto onde moram os meninos". Lá existe a oficina fantástica do velho Cambeva, um restaurador de sonhos e lembranças, onde um Realejo espera ser consertado. Enquanto isso, Temporina, uma doce senhorinha, parte em busca das recordações de sua infância e a pequena Deolinda, a neta do restaurador, ao lado de Tuzébio, seu ajudante desajeitado, tentam descobrir qual é o Presente de Vô que ela ganhará no seu aniversário.

Além da oficina de Cambeva, o universo fantástico é habitado pelas Sonhambulantes, três divertidas irmãs que sofrem da doença (ou do dom) de viver no sonho; Zalém e Calunga, nativos do Parasempre, andam pelo mundo a recolher e catalogar lembranças e há também a Maria Metade e seus Meninos encantados, que são e sempre serão crianças, pois habitam as histórias.

O repertório tem arranjos assinados pelo grupo Pau Brasil e mistura cirandas guaranis, cantigas de ninar africanas, batuques aprendidos com avós do Vale do Jequitinhonha, aleluias misturadas a vozes indígenas, Tom Jobim, Chico Buarque, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Milton Nascimento, canções do folclore português - ou recolhidas nas andanças antropológicas de Mário de Andrade - e músicas compostas originalmente para a trilha sonora de uma história fantasiosa que nos faz olhar, com um carinho muito especial, para a nossa herança. A preparação vocal é assinada por Babaya.

A encenação dispensa os grandes cenários, efeitos especiais e maquinarias para dar lugar ao faz de conta. Assim, se constrói basicamente com panos que ora são noivas, arco-íris, recordações e também com singelos elementos de infância. Os figurinos visitaram os baús dos avós para deles acordar rendas, tecidos, crochês e modelagens. A luz dá um tom mágico à obra, nos levando sempre a um lugar onde tudo é possível. Com uma formação de teclado, violão, sopro e bateria, a música é toda executada ao vivo, com arranjos poderosos e uma trilha incidental que deixa tudo muito mais divertido.

Foi assim que o Ponto de Partida e os Meninos de Araçuaí escolheram celebrar 15 anos de sua parceria: entregando às novas e futuras gerações um legado que lhes pertence e determina e que só pode ser passado de avô para neto através de uma trilha invisível que apenas o afeto sabe percorrer... ou a fantasia! As músicas, então, alinhavam uma trama com personagens que vivem situações absurdas e divertidas acerca da perda ou do resgate das lembranças e dos sonhos.

Presente de Vô já se apresentou em São Paulo (Auditório Ibirapuera e SESC Belenzinho), Belo Horizonte (SESC Palladium), Porto Alegre (Theatro São Pedro), Juiz de Fora (Cine Theatro Central), Campinas, São João del Rei e Barbacena e, pós a curta temporada no Espaço Tom Jobim, seguirá para Curitiba, Belo Horizonte e São Paulo novamente.
Já o Ponto de Partida, seguirá do Rio direto para o Festival de Curitiba, onde apresentará o espetáculo “Drummond”, dentro da retrospectiva de seus 35 anos, nos dias 28 e 29 de março. O espetáculo é de 1989 e esteve no Rio no seu ano de estreia, em temporada no CCBB.


DEPOIMENTOS SOBRE O PONTO DE PARTIDA E OS MENINOS DE ARAÇUAÍ


Quando você vê esse espetáculo, você volta a acreditar! Você volta a perceber que as coisas estão aí desabrochando com a maior plenitude. Num momento em que você vê tudo ficando tão repetitivo, tão em volta dos clichês mais pretenciosos e mais vazios, de repente você se defronta com um espetáculo que é pura pulsação, quem vem com uma simplicidade das coisas grandes, que vem com  apureza, com o frescor que a arte proporciona. Você sai achando que não perdeu a sintonia.
Nathalia Timberg

Tive maravilhamentos ao ouvir o Roda que Rola. Por essa mostra posso avaliar o talento do grupo. Estou certo de que o Ponto de Partida tem valor universal. Faço votos que vocês se realizem em todos os sonhos que sonhem. Grande e fraterno abraço do amigo e admirador.
Manoel de Barros

Tenho acompanhado nos últimos doze anos o trabalho excepcional do Grupo Ponto de Partida, de Barbacena, tendo a oportunidade de sentir, de muito perto, a capacidade criativa, a liberdade da linguagem de seus espetáculos, a sua nunca interrompida pesquisa sobre uma cultura mineira, a verdadeira, aquela que só mesmo gente como esses atores, poetas, músicos sabe que existe.
Sérgio Britto

Com um grande, imenso respeito, uma lembrança destes dias mágicos no que se refere à vivência de um grupo tão especial dentro do teatro brasileiro. (Final da oficina realizada em Barbacena - abril de 2000)
Fernanda Montenegro

Eu já viajei esse mundo pra tudo quanto é lugar. Toquei e cantei com muitas crianças, adultos, orquestras, mas uma coisa igual a essa foi a primeira vez. Um presente divino que Oxalá deve ter me dado! E quero dizer que, mesmo os mineiros que não conhecem as coisas de Minas, podem olhar pra dentro que o negócio é muito sério!
Milton Nascimento

A junção do Grupo Ponto de Partida com os Meninos de Araçuaí é algo para não se esquecer jamais. Daquelas experiências de teatro que a gente vai ficando velho e vai sempre lembrando e cada vez a gente tem a sensação de que fica melhor. É muito lindo, é uma emoção inesquecível!
Ulysses Cruz

Quando eu fui a Barbacena, eu não tinha noção dessa maravilha que é o espetáculo de vocês.Eu só tenho vontade de voltar lá pra aprender um pouco agora.
Dori Caymmi
Eu acompanho o Grupo há muitos anos e cada dia que venha revê-los eu me surpreendo e fico cada vez mais feliz com a força do Ponto de Partida. É preciso que cada vez mais o teatro e nós todos juntos participemos dessa força total do Ponto de Partida. Obrigada por vocês existirem.
Angel Vianna

É muito legal ver o Ponto de Partida e os Meninos de Araçuaí fazendo um trabalho tão lindo como este. Isso deve ser mostrado pro Brasil inteiro. Porque são poucos os trabalhos que conseguem trazer a criançada de uma maneira tão bonita e tão direta e tão viva e tão alegre! Contagia a gente.
Gringo Cardia

Peço, querida Regina, que você transmita aos seus companheiros do Ponto de Partida o meu abraço afetuoso e minha profunda admiração.
Jorge Amado

Obrigada pela gratíssima surpresa de conhecer depois do coração de vocês, o seu talento. Deus lhes guarde.
Adélia Prado


Presente de Vô, a coleção

Os quatro CDs contam com a participação especialíssima do grupo instrumental Pau Brasil que, além de ter tocado e arranjado 20 das 44 músicas do repertório, teve a tarefa de transformar som em imagem, colocando a história de pé com uma deliciosa trilha incidental. Marlui Miranda engrossou o caldo trazendo seu baú de músicas indígenas e emprestando a voz em algumas faixas. Os demais arranjos foram feitos por Gilvan de Oliveira, Pablo Bertola e Pitágoras Silveira que está há 14 anos no coro e hoje é também pianista, compositor e arranjador. Serginho Silva ficou a cargo da percussão. A direção musical é de Rodolfo Stroeter e Pablo Bertola e a direção geral de Regina Bertola, à frente do Ponto de Partida e dos Meninos de Araçuaí desde sua fundação.

Com um repertório precioso, fruto de uma vasta pesquisa que, entre tantas viagens, levou o grupo a Araçuaí, Presente de Vô não faz concessões harmônicas ou poéticas, não se despe de sofisticação nem propõe uma trama mais rasa para se “aproximar” das crianças. Ao contrário, lhes oferta, em buquê generoso, incontáveis ferramentas de imaginar, convidando-as a criar um sem fim de universos a partir de dois únicos “aplicativos”: o ouvido e o coração.

Ponto de Partida é um grupo de teatro fundado em Barbacena, em 1980, por artistas que decidiram que não deixariam a cidade, mas também não aceitariam os limites da província. Assim, tornou-se uma companhia de repertório itinerante e independente com 20 profissionais em exercício permanente. Criou e sistematizou métodos e processos de produção e criação e desenvolveu uma linguagem própria e uma dramaturgia brasileira que sustenta seus 35 espetáculos.

Nestes anos, a companhia trabalhou com figuras referenciais da cultura brasileira como Milton Nascimento, Fernanda Montenegro, Sérgio Britto, Paulo Gracindo, Jorge Amado, Manoel de Barros, Álvaro Apocalypse, Adélia Prado, Bartolomeu Campos de Queirós, Dori Caymmi e outros.

Fiel às suas origens de movimento cultural, atualmente o Ponto de Partida é responsável direto pela formação ou o trabalho de 323 pessoas que se dividem e se somam em suas diversas atividades e projetos, como a Bituca: Universidade de Música Popular e os Meninos de Araçuaí. Em 2015, o Grupo inaugura a Estação Ponto de Partida, no conjunto arquitetônico que abrigou a Sericícola, segunda fábrica de seda do Brasil, celebrando seus 35 anos.


Meninos de Araçuaí é um coro criado como ação complementar do trabalho educacional do Projeto Ser Criança, mantido no Vale do Jequitinhonha pelo Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento (CPCD), uma ONG que, pela excelência do seu trabalho, conquistou o reconhecimento internacional e, entre tantos prêmios, o que nomeou seu Presidente, Tião Rocha, Empreendedor Social Brasileiro, em 2007.
Há dezesseis anos, o Ponto de Partida assumiu o trabalho e a direção artística desse coro. Desde então, os Meninos de Araçuaí se exercitam num processo de formação permanente com o Grupo. Têm aulas de música, percussão, voz, dança e interpretação e trabalham com grandes artistas mineiros. Montaram, com o Ponto de Partida, cinco espetáculos que lotaram plateias por esse mundo afora, apresentaram-se nos espaços mais significativos do Brasil e na França, gravaram seis CDs e dois DVDs e já dividiram palcos com Gilberto Gil e Milton Nascimento que, desde Ser Minas tão Gerais, está sempre misturado às suas vidas e ao seu trabalho.

Com o dinheiro conquistado com vendas de ingressos e CDs, somado aos recursos de outros parceiros do CPCD, construíram e entregaram a Araçuaí um cinema. E alimentaram da forma mais digna possível, durante três anos, 180 famílias com alimentos arrecadados nos seus espetáculos. Também foi consequência dessa parceria, a Casa de Morada dos Meninos, em Barbacena, para a qual alguns dos Meninos se mudaram para se formar profissionalmente na Bituca: Universidade de Música Popular.

Natura, Meninos de Araçuaí e Ponto de Partida - a estreita relação entre Natura, Meninos de Araçuaí e Grupo Ponto de Partida teve início em 1998, quando colaboradores da Natura se emocionaram ao ver uma reportagem de TV sobre o Vale do Jequitinhonha. Impressionados com as dificuldades vividas pelos moradores daquela região, resolveram conhecer de perto a rotina daquela comunidade. Ao meio das dúvidas de como atuar de maneira mais permanente conheceram Tião Rocha, presidente do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento (CPCD), e decidiram patrocinar, por um ano, o Projeto Ser Criança, onde nasceu o coro dos meninos.

Ao final desse ano, o CPCD convidou o Ponto de Partida para preparar esse coro para apresentar-se em São Paulo, para os funcionários da Natura, numa cálida festa de Natal. Esse fato transformou a vida dos meninos e de muita gente.

Passados 11 anos, a Natura, o CPCD, o Ponto de Partida e os Meninos de Araçuaí retomaram a parceria e hoje têm o prazer de anunciar que comemoram juntos esses 15 anos, lembrando, mineiramente, que “sonhos não envelhecem”.

“Essa parceria com o Ponto de Partida e os Meninos de Araçuaí é muito prazerosa para a Natura, pois trata-se de um projeto que, além da qualidade artística, tem uma preocupação social muito importante. É um trabalho que reúne uma profunda pesquisa sobre as raízes da música brasileira e compromisso em renovar e investir na cena musical brasileira de qualidade”, comenta a gerente de apoios e patrocínios da Natura, Fernanda Paiva.


SOBRE O PROGRAMA NATURA MUSICAL

Há nove anos o programa patrocina novos talentos, artistas consagrados em momentos emblemáticos da carreira e projetos de preservação de legado e formação musical em todo o Brasil. Com mais de 220 projetos e 1000 produtos culturais patrocinados, entre CDs, DVDs, shows, livros, pesquisas, documentários, exposições, acervos, entre outros, o programa ocupa hoje posição única no mercado musical brasileiro como fonte de recursos para a viabilização de projetos em várias plataformas, além de manter uma ativa plataforma digital e webrádio com 24 horas de programação diária. Ao todo, 18 estados das cinco regiões do Brasil foram contemplados e mais de 1 milhão de pessoas beneficiadas pelos projetos e ações proprietárias do programa.

O Natura Musical atua por meio de diferentes frentes, como os Editais Públicos, que visam selecionar projetos de diferentes formatos e estágios da produção cultural por meio das Leis Rouanet e do Audiovisual em todo o Brasil, e da Lei do ICMS em São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia e no Pará; a Seleção Direta, que contempla propostas adequadas ao conceito do programa e de grande relevância e inovação, sem a obrigatoriedade das leis de incentivo; e os Festivais.

OUÇA A WEBRÁDIO NATURA MUSICAL E SAIBA MAIS NO PORTAL


SOBRE A NATURA

Fundada em 1969, a Natura é uma multinacional brasileira que fabrica cosméticos e produtos de higiene e beleza. É líder no setor de venda direta no Brasil e registrou R$ 7 bilhões de receita líquida em 2013. Possui 30 linhas de produtos, sete mil colaboradores, 1,6 milhão de consultoras e operações na Argentina, Bolívia, Chile, México, Peru, Colômbia e França. A estrutura da Natura é composta por fábricas em Cajamar (SP) e Benevides (PA), oito centros de distribuição no Brasil, além de centros de Pesquisa e Tecnologia em São Paulo (SP), Manaus (AM) e Nova Iorque (EUA). Em dezembro de 2012, a empresa adquiriu de 65% da fabricante australiana de cosméticos Aesop, a qual atua em países da Oceania, Ásia, Europa e América do Norte. Para mais informações sobre a Natura, visite www.natura.com.br e confira nossos perfis nas redes sociais:


ELENCO

PONTO DE PARTIDA: Ana Alice Souza | Carolina Damasceno | Érica Elke | João Melo | Júlia Medeiros | Lido Loschi | Lourdes Araújo | Pablo Bertola | Renato Neves | Ronaldo Pereira | Soraia Moraes

MENINOS DE ARAÇUAÍ: Alan Coelho | Ângela Ferreira | Charles Soares | Emily Miranda | Felipe Luiz Ferreira | Felix Henrique | João Batista Fernandes Oliveira | Johnny Ferreira | Júnio Alves | Karine Montenegro (interpretando Temporina menina) | Kerliane Pereira | Laynne Barbosa | Luiz Felipe | Luiz Gustavo | Luiza Eugraphio | Marcos Vinicius | Matheus Rodrigues | Michael Douglas | Pitágoras Silveira | Roseane Caldeira | Tamires Fernandes | Thamiris Soares | Thauane Silva | Vitor Manoel | Gleicielle Laurindo | Luna Vaz | Raíssa Moreira | Glaskia Tavares | Gleysla  Tavares | Rogaciano Lopes | Educadora: Cleia Celestino

BANDA: Caetano Brasil (sopros) | Felipe Moreira (teclado) | Gladston Vieira (bateria) | Marcos Danilo (violão)


FICHA TÉCNICA
Concepção: Ponto de Partida. Direção geral e dramaturgia: Regina Bertola. Texto: Ponto de Partida, com citações de Mia Couto. Músicas originais: Pablo Bertola, Lido Loschi, Júlia Medeiros e Pitágoras Silveira. Arranjos: Pau Brasil, Gilvan de Oliveira, Pablo Bertola e Pitágoras Silveira. Preparação vocal: Babaya Direção musical: Felipe Moreira. Figurinos: Alexandre Rousset e Tereza Bruzzi Cenário: Alexandre Rousset, Tereza Bruzzi e Ponto de Partida Luz: Rony Rodrigues e Regina Bertola, com consultoria de Jorginho de Carvalho Produção: Fátima Jorge, Fábio Rodrigues, Karine Montenegro, Júlia Medeiros, Pablo Bertola Realização: Ponto de Partida, CPCD e Ministério da Cultura. Patrocínio: Natura

REPERTÓRIO
Aleluia – Marlui Miranda
Andar com fé – Gilberto Gil
Tue Mareema - Cantiga de Gana, recolhida por Mama Lisa – Domínio Público
Thula Thula  - Acalanto Zulu, da África do Sul, recolhida por Miriam Makeba – Domínio Público
A Oficina – Pablo Bertola e Júlia Medeiros
Zabelê - Domínio Público
Vem de longe – Pablo Bertola e Lido Loschi
Ñaumu – índios Yanomami de Roraima, adaptado por Marlui Miranda
Pot-pourri:
- A Ti Mama (fragmento) – Alfredo L. Penido, Enrique P. Castro, Francisco J., L. Rodriguez, José P. Lenon, Manuel L. Rodriguez, Raul G. C. Pestano, Ismaila S. Badiane
- Muriquinho Piquinino – Vissungo – Domínio Público
- Fui na cozinha pegar rapé (versos) – Adaptado e recolhido pelo Ponto de Partida com a Dna. Maria do Carmos Neves e comunidades de Araçuaí – Domínio Público
A Barra do Dia  - Recolhido por Saulo Laranjeira e Heitor de Pedra Azul – Domínio Público
Rosinha (versos) – Adaptado e recolhido pelo Ponto de Partida junto à comunidade de Olinto Ramalho e ao Grupo Folia de Reis do Arraial – Domínio Público
Zumbizazueira – Pablo Bertola e Lido Loschi
Tema da Temporina (vinheta instrumental) – Pablo Bertola, Pitágoras Silveira e Júlia Medeiros
Ondequé? – Sergio Pererê, Cantos de Congo
Peixe Marinho / Chora pião / Roda pião – Domínio Público
Pelo buraco da fechadura – Pablo Bertola , Pitágoras Silveira e Júlia Medeiros
Sonho de menino – Paulinho Pedra Azul
Imagina (vinheta) – Tom Jobim e Chico Buarque
Bola de meia, bola de gude (vinheta) – Milton Nascimento e Fernando Brant
Alguém cantando – Caetano Veloso
Pra voar – Pablo Bertola e Lido Loschi


SERVIÇO
PRESENTE DE VÔ
Data: dias 21 e 22 de março – Únicas Apresentações
Local: Espaço Tom Jobim (Rua Jardim Botânico, 1008 – Jardim Botânico)
Informações: 2274-7012
Horário: Sábado, às 20h | Domingo, às 17h e às 20h
Ingressos: R$ 40,00 (crianças menores de 2 anos não pagam)
Capacidade: 378 lugares
Bilheteria: de Terça a Quinta, das 14h às 18h (ou caso tenha espetáculo, aberta até o início do mesmo) | Sexta e Sábado, das 14h às 21h | Domingo, das 14h às 20h
Duração: 80 minutos
Gênero: musical
Indicação etária: Livre (recomendado para maiores de 05 anos)
Venda on-line: www.ingresso.com

Desconto da bilheteria:
* Idades: de 2 a 21 anos e acima de 60 anos (menores de 2 anos não pagam);
* Sócios e funcionários do JBRJ;
* Funcionários da Embrapa;
* Classe Artística;
* Estudantes;
* Professores da rede pública;
* Portadores de necessidades especiais.

Assessoria de Imprensa Local – Rio de Janeiro
Telefones: (21) 2511-7625 | 98876-9660 | 98876-9536
Assessoria de Imprensa Grupo Ponto de Partida
Fátima Jorge - fatimajorgepp@gmail.com
Telefone: (32) 9977-1028

Assessoria de Imprensa Natura Musical
Conteúdo Comunicação - Telefone: (11) 5056-9800
Fábio Martins: fabio.martins@conteudonet.com

Nenhum comentário

Quer fazer um comentário?

Tecnologia do Blogger.