'Rei das baquetas' cita carnaval como essência da vida: 'Vou morrer sambando'

Foto: Rafael Arantes / Agência O DIA
O DIA NA FOLIA - POR RAFAEL ARANTES
Rio - 60 anos de idade e 45 de samba. A vida de José Amaro de Souza Filho, o 'Rei das baquetas', é mesmo uma grande mística dentro do carnaval. Maior fabricante de baquetas de tamborim artesanais, o sambista é um dos maiores nomes dentro do cenário das baterias das escolas de samba. Filho de pai militar, Amaro nasceu em uma embarcação em alto mar, e foi registrado no Ceará, tendo se mudado para o Rio aos 10 anos de idade.

Querido por todos, Amaro não abre mão do jeito brincalhão de levar a vida. Há 30 anos trabalhando neste ramo, o sambista se destacou por ser o primeiro a fabricar os acessórios com um material mais resistente, e com uma qualidade de primeira. Ritmista desde os 15 anos, Amaro começou a tocar tamborim com baquetas de bambu, que quebravam com muita facilidade. Em busca de um maior bem estar com seu instrumento, o Rei começou a testar diversos materiais diferentes, até descobrir o acetal, um tipo de plástico mais resistente. Amaro contou ao DIA na Folia que após a descoberta, todos tentavam aprender o método de confecção.

"No início, os outros queriam me ver trabalhando para ficar tirando foto e filmando, tentando aprender como era feito. Mas não sou bobo não, fazia tudo errado perto deles (risos)", revelou de maneira tímida, após tentar evitar falar mais profundamente: "Esquece isso, você está inventando idéia".




Além de um grande fabricante de baquetas, e ritmista de diversas escolas de samba, Amaro também se destacou sendo diretor de bateria na Mocidade Independente de Padre Miguel e na Tradição. Por mais de 10 anos, o Rei também exerceu a função, e chegou a ser campeão em 1996, quando dirigia os tamborins da Mocidade, no ano do grande enredo "Criador e criatura".



Concorrência Saudável

Mesmo sendo o mais conhecido no mundo do carnaval, Amaro não é o único a produzir este tipo de baquetas, e quando questionado sobre um de seus concorrentes, o sambista mostrou mais uma vez seu lado descontraído, e além de elogiar o amigo Miguel Setta, aproveitou para aprontar uma de suas brincadeiras.

"O Miguel é muito bom. Quando era mais novo ele chegou a fazer um trabalho de escola sobre as baquetas comigo, e depois colocou na internet. É um saf%@#...(risos)", brincou.

Amor ao samba

Após desfilar comandando novamente o tamborim da Mocidade, em 2012, Amaro estará na avenida no próximo carnaval como apoio de bateria da escola de Padre Miguel. Pelo visto, os seus 45 anos no samba representam a grande essência da vida do lendário 'Rei das baquetas'.

"Não dá para largar isso tudo. A idade está chegando, mas eu vou morrer sambando", concluiu.

Nenhum comentário

Quer fazer um comentário?

Tecnologia do Blogger.